Quando lê-se sobre o metrô de Washington na internet, é muito comum encontrar posts que comparam o seu funcionamento e estrutura com o de Nova York. Acredito que seja porque as pessoas que escrevem sobre o assunto visitam as duas cidades na mesma viagem, o que também aconteceu conosco.



No entanto, quero deixar aqui uma opinião diferente das que eu encontrei: eu achei o metrô de Washington bem mais difícil de entender e estou me referindo, principalmente, à compra e uso do bilhete de acesso.

Nada compara-se à abrangência, extensão e eficiência do sistema de NY! (nada do que eu conheço, claro!) Você tem a sensação de que o metrô te leva para todo lugar da cidade e que, na próxima quadra, uma estação estará logo ali para te poupar grandes caminhadas! Nossa, quem dera que na minha cidade fosse assim!

Essa estrutura assusta um pouco, mas nós nos familiarizamos rápido e, embora seja bastante diferente de São Paulo, o ritual de adquirir um bilhete e usar a catraca para ter acesso ao trem é bastante parecido com o nosso. 

Em Washington as diferenças já começam com as tarifas: cada percurso custa um valor e é importante consultar as tabelas disponíveis nas estações. Os valores variam conforme as distâncias percorridas, o horário e dia da semana. É justo para o morador, mas bem complicado para o visitante.



Para passar a catraca que dá acesso aos trens é necessário inserir o bilhete, porém a tarifa é descontada apenas quando você sai da estação e novamente usa o seu bilhete para destravar as catracas. Portanto, não jogue-o fora, dobre ou amasse: você precisará dele para sair.

Caso tenha calculado um valor menor e não tiver crédito suficiente, há máquinas na parte de dentro para você completar o crédito.

Lembre-se de que você não pode compartilhar o seu bilhete enquanto estiver nas dependências do metrô.




Quanto custa e como comprar um bilhete

O horário de pico acontece desde a abertura do metrô até 9h30 e, depois disso, das 15h às 19h. Viajar nesse horário custa mais, inclusive para quem compra o passe de uso "ilimitado" por 7 dias. 

Para destravar a catraca de acesso aos trens você precisará usar um passe ou cartão, ambos podem ser comprados nas máquinas automáticas de todas as estações.

Os farecards são bilhetes de papel em que você insere uma quantidade de crédito e, a cada viagem feita, é descontado o valor do percurso.




Os passes (pass) são bilhetes de uso ilimitado para 1 ou 7 dias. Para 1 dia, não há restrição de horários de uso, mas fique atento porque ele não vale por 24h e sim durante um dia inteiro de funcionamento do metrô. 

Para 7 dias, no entanto, o passe só cobre tarifas de até $3,50. Isso significa que, se a viagem custar mais do que isso, vai ser preciso completar o valor. As viagens mais longas podem custar até $5,75.

Na maioria das estações há dois tipos de máquinas automáticas: as cinzas, mais antigas e simples, que só vendem farecards e aceitam dinheiro; e as mais modernas, as máquinas azuis, que aceitam cartão de crédito e dinheiro e vendem todos os tipos de bilhetes.









Para usar a máquina de venda, a primeira coisa a fazer é apertar um dos botões ao lado do número 1 (A, B ou C) para escolher o tipo de bilhete que pretende comprar: pressione A para pass, B para single farecard ou C para multiple farecards (mais de um bilhete farecard). 

Ao escolher farecard, use as setas para carregar o valor que deseja. Ao inserir o dinheiro, atente-se ao fato de que o valor máximo de troco é $5.

Visite o site do metrô e planeje a sua viagem!

4 Responses so far.

  1. Obrigada pelo post! Então se vc vai ficar mais de um dia na cidade, a melhor opção será o passe de 7 dias? Não tem opção de menor tempo?

  2. E sobre o SmarTrip ? Pensei em comprar este para nós ( 2 adultos, 2 crianças ). Vamos ficar 6 dias em DC. Você acha que vale a pena ?

  3. Aldê says:

    Estaremos visitando Washington e ficaremos 9 dias. Seria melhor comprarmos esse de 7 dias?

  4. Tem um pacote menor, talvez 5 dias? Seria para duas pessoas

Leave a Reply